“Minha garganta fechava sempre, eu não conseguia me alimentar direito e vivia tendo crises de arrotos constantes”.

Tudo começou quando me separei pela segunda vez. Na época, entrei em profunda depressão, pois foi uma decisão muito difícil para mim.

Senti uma tristeza enorme, um medo incontrolável da vida. E com isso, minha garganta
começou a travar. Eu respirava curtinho e engolia muito ar, conseqüentemente passava o dia inteiro arrotando.

Depois da separação estas crises começaram a ser freqüentes, principalmente no transito, pois eu comecei a ter muito medo de assalto. E quando eu me atrasava para algum compromisso, passei a sentir muita angustia. E quando eu sabia que alguém estava me esperando, passei a sentir uma ansiedade anormal. Também comecei a ter medo de viajar de avião, sendo que no passado, já tinha sido comissária de bordo por 5 anos e adorava voar. Tinha estas crises também quando ouvia notícias tristes, ou quando eu não conseguia dizer não para as pessoas, ou quando eu me obrigava a fazer algo que na verdade eu não queria. Ou seja, durante muito tempo minha mente me fez sofrer constantemente.Em todas estas situações, eu simplesmente arrotava o dia inteiro.

Era muito desagradável tudo isso, eu sofri muito. E fora a dor no meu pescoço que sempre
sentia a noite, parecia que eu estava sendo enforcada o tempo todo. Isto devido ao meu
músculo contrair. Eu passei também a beber vinho quase todas as noites para relaxar, pois eu detesto remédios. Fiquei depois com medo de me tornar alcoólatra, pois estava virando um vicio. A ansiedade, o medo, a culpa, e outros sentimentos que nem sei mais, disparavam estas crises horríveis.

Às vezes, parava no meio das refeições porque engasgava muito e tinha medo de morrer
sufocada. Eu não conseguia comer direito, parecia que eu tinha desaprendido a engolir. Muitas vezes, tinha que colocar muito pouco alimento na boca para conseguir engolir, a quantidade de uma colherinha de café e me concentrar muito para conseguir fazer o alimento descer. Era horrível e eu vivia com fome!

Fui em psicólogos, psiquiatras, tomei anti depressivos, mas nada disso realmente me curou.
Nunca havia parado de ter estas crises. Teve uma época que fui até tomar passe num centro
espírita, de tão desesperada que fiquei.

Achei também que podia estar com câncer de garganta ou que a válvula do esôfago estava
com problemas.

Hoje, falo o que penso sem medo, não deixo mais as pessoas me manipularem e por mais
que eu esteja atrasada ou preocupada, nada me faz ficar daquele jeito. Não me culpo mais e
estou melhorando a cada dia com as audições.Tenho ainda muitas coisas para melhorar, mas aos poucos, eu sei que chegarei lá. Não tenho mais medo do futuro e estou MUITO mais Feliz e otimista!

Agradeço a Deus em primeiro lugar, e depois a minha grande amiga por ter me indicado o Jorge. Somente através dele consegui resolver algo que já tinha perdido as esperanças.

Jorge, MUITO OBRIGADO de coração! Você é meu herói!

Lucia M. / Fotógrafa

Lucia foi auditada por Jorge Carlos Jucoski

DEIXE UMA RESPOSTA